Casa do Vô Benedito

INFORMATIVOS

31/03/2020 - Suspensão das Atividades


O Terreiro de Umbanda Casa do Vô Benedito suspenderá suas atividades por tempo indeterminado devido à pandemia do coronavírus (COVID-19), obedecendo às recomendações das autoridades.Emitiremos novo comunicado quando for possível o retorno às atividades normais da casa.Durante esse tempo de suspensão das giras, quem sentir necessidade, indicamos que mentalizem o Congá do Vô, façam seus pedidos e suas orações, preferencialmente às 22:30h diariamente pois, nesse horário, nos reunimos em projeção para colaborar com a espiritualidade nesse momento tão delicado, pedindo cura e Luz para toda a humanidade.Agradecemos a compreensão e pedimos a todos que se cuidem e conscientizem-se sobre a delicadeza desse momento.
Até breve!

18/06/2020 - Arrecadação de Doações

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image
A Casa do Vô Benedito agradece a todos que colaboraram com nossa campanha de arrecadação em auxilio à ONG Acefi.Na foto, nossa irmã e filha de corrente, Simone, ao lado do responsável pela Instituição.A todos, nossa gratidão e parabéns pela iniciativa, pois essa é uma das formas de seguirmos trabalhando e servindo em nome do bem comum, como nos ensina a Umbanda e todos nossos guias e mentores.
Agradecemos sinceramente as doações desejando a todos muitas bençãos e proteção.

Casa do Vô Benedito

Rua Pedro Klassa, 128

Santo Inácio, Curitiba-PR


A giras acontecem todos os sábados, das 16:00 às 20:00

Atendimento gratuito e aberto ao público

Casa de amor e caridade

O Terreiro de Umbanda "Casa do Vô Benedito" foi fundado no dia 02/08/2015, sob a inspiração e comando das Entidades Espirituais do Preto-Velho Vô Benedito e do Caboclo Araribóia, tendo como dirigente Antonio V. Cardoso - Pai Antonio de Oxóssi.

A Casa tem raízes no "Terreiro do Pai Maneco"(TPM), em razão do dirigente tê-lo frequentado por mais de 12 anos e foi feito Pai-de-Santo pelo Pai Bitty de Ogum, um dos Pais do TPM. Isso faz com que a ancestralidade do Pai Fernando de Ogum e a Umbanda de Zélio de Moraes sejam uma referência para a Casa.

Desta forma, a Casa do Vô Benedito trabalha na Lei do Amor e da Caridade, desenvolvendo a consciência espiritual de seus médiuns e frequentadores. Tudo o que é feito é sem cobrança, sem sacrifício animal, sem trabalho espiritual que não seja para o Bem.

Filosofia

O nome do Terreiro tem como objetivo homenagear uma das entidades-chefe da casa (Vô Benedito, representante da linha dos Pretos Velhos) e também a força e sabedoria dos anciãos. Eles representam os que vieram primeiro, a ancestralidade de cada um de nós, tanto física quanto espiritual, trazendo conhecimento, amor, compreensão e humildade na mais bela simplicidade do ser humano, de pés descalços e numa linguagem simples que fala ao coração.

Os princípios filosóficos e religiosos que, na linguagem da Umbanda, são os "fundamentos" da Casa, são diretrizes dadas pelo Vô Benedito, que estabeleceu como objetivo ou missão: 1) trabalhar para a Cura (física, emocional e espiritual), e 2) o Desenvolvimento Espiritual (auto-consciência e responsabilidade), e tem os seguintes princípios:


  1. Simplicidade: para fazer um trabalho de caridade, não é preciso muito. É necessário ter amor, foco e fé. Com isso, a base para um trabalho espiritual sólido e caridoso está feito;
  2. Não julgar: cada pessoa tem uma história única e sagrada. Independente da origem, escolhas ou características, todos merecem o amor e deverão ser tratados como iguais. Afinal, aos olhos de Olorum (Deus), somos todos seus filhos e, por tanto, trazemos uma partícula divina em nossa essência e, como seres únicos, cada um (a seu modo e tempo) está em seu processo de reconexão com o divino, ou seja, nosso desenvolvimento espiritual;
  3. Compreensão: a compreensão é atitude de aceitação, de empatia para com o próximo. É a capacidade de reconhecer que, muitas vezes, nossos defeitos (rejeitados em nós mesmo) são projetados nos outros e que no fundo padecemos todos nós dos mesmos males. Todos temos necessidades de ter amor, segurança, prosperidade e assim por diante, de forma que sofremos quando isso não ocorre (medos, angústias e inseguranças). Por isso, compreender a si é compreender o outro e vice-versa;
  4. Orai e vigiai: para garantir nosso equilíbrio espiritual/emocional, devemos cuidar com o que pensamos e desejamos. Somos altamente capazes de mudar a nossa vibração energética com qualquer tipo de pensamento que tenhamos. Sabemos que isto é muito difícil, afinal, somos seres em evolução. Mas quando percebemos que estamos nos perdendo, podemos orar às forças que consideramos sagradas (Deus, Jesus/Oxalá, Guias, Santos e outros), a fim de sustentar o nosso equilíbrio energético. O bem-pensar, o bem-dizer, o bem-fazer (a caridade) devem ser nossas atitudes.